Você já se perguntou por que a autonomia é importante na sua vida? Já parou para pensar o que prejudica sua autonomia? Entenda como a autonomia impacta sua vida e as relações com a técnica evolutiva da inversão existencial.

autonomia
Fonte: Google Imagens

A definição de autonomia, para o Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa Michaelis é a “capacidade de autogovernar-se, de dirigir-se por suas próprias leis ou vontade própria; independência pessoal; direito de tomar decisões livremente.”

A autonomia é qualificável, evoluível, ou seja, os graus de assunção de independência pessoal vão aumentando conforme o amadurecimento e a capacidade da consciência.

Por exemplo, em grau menor nessa atual vida, a autonomia começa a ser desenvolvida aos poucos desde o nascimento quando a criança dá seus primeiros passos sozinha para buscar um brinquedo ou quando aprende a se vestir sem precisar de ajuda dos pais.

Conforme os anos passam e ocorre o amadurecimento psíquico e biológico, é natural que outros passos sejam dados, como por exemplo ir sozinho para escola, ler um livro inteiro e saber interpretação textual.

Esses aprendizados que vão ocorrendo à medida que se amadurece e que se vivencia experiências de “se virar por si só” é chamado de ganho de autonomia.

É claro, a qualidade da autonomia evolui com o tempo, a necessidade e o amadurecimento da consciência e pode ser galgada em grau maior de qualidade. 

Como por exemplo, na adolescência e no início da adultidade biológica, o jovem pode começar a perceber que ele é personalíssimo, ou seja, ele não é a família, nem o grupo de amigos, nem os jovens da mesma idade, portanto não precisa agir nem pensar igual a eles.

A consciência descobre que ela pode pensar por si própria, ter autonomia sobre seus pensenes (pensamentos, sentimentos e energias), sobre seus valores, ações, escolhas e vontades.

Por isso que o grau de autonomia da consciência evolui com o tempo e experiências, dependendo de seus esforços, sua tendencia, temperamento, reciclagens intraconscienciais e vontade de ter adultidade consciencial.

A autonomia em nível mais sério, exige do jovem ser responsável e capaz, ter a vontade de assumir sua própria vida, sua própria programação existencial.

A autonomia pode ser dividida em pelo menos 4 aspectos, para fácil compreensão:

  1. Emocional: autonomia sobre o psicossoma (corpo das emoções), a partir da percepção e manifestação de sentimentos e emoções;
  2. Energética: autonomia sobre o energossoma (corpo das energias), a partir da percepção e domínio sobre o parapsiquismo, o EV (estado vibracional), a assim (assimilação simpática) e desassim (desassimilação simpática);
  3. Intrafísica: autonomia sobre o soma (corpo físico), no aspecto financeiro, de saúde e sustentação da vida humana;
  4. Mentalsomática: autonomia sobre o mentalsoma (corpo mental) intelectualidade, o livre pensar e o autodesassédio.

Todas essas 4 autonomias apresentadas são de igual importância, pois é o conjunto do domínio sobre elas que qualifica a manifestação da consciência.

Por exemplo, é necessário ter um nível de domínio emocional para conseguir se manter em um emprego que exige conviver com diversas pessoas, por consequência para manter uma autonomia intrafísica, é necessário ter recursos financeiros, proporcionados em muitos casos pelo exercício da profissão. 

Da mesma forma, para exercer a profissão é necessário desenvolver a intelectualidade, a partir da autonomia mentalsomática. Além de conseguir discernir, a partir do mentalsoma e perceber pelo domínio energético, quando é preciso realizar uma desassimilação energética a partir do estado vibracional. O que impactará na capacidade de controle emocional e convivência sadia com outras pessoas. Todas essas autonomias são convergentes.

E qual a relação de autonomia com a invéxis?

autonomia
Campus de Invexologia, localizado na Cognópolis Foz do Iguaçu-PR

A consciência que realizou Curso Intermissivo, tem uma proéxis (programação existencial) e que visa otimizar ao máximo sua vida para poder aproveitar melhor a autevolução, pode, ainda na juventude optar por aplicar a técnica da inversão existencial.

A invéxis é uma técnica de vida, aplicada desde cedo, ainda na juventude para planejar e executar com maior aproveitamento possível essa vida humana.

Sendo a invéxis uma técnica que propõe o planejamento da própria vida, faz total sentido que para isso, seja necessário autonomia.

Autonomia para refletir, discernir, decidir e realizar com posicionamento firme todas as escolhas pessoais e opções ao assumir executar a técnica da inversão existencial.

Quais os maiores impeditivos do desenvolvimento da autonomia?

autonomia
Fonte: Google Imagens

A qualificação do traço da autonomia é relativa a cada consciência, pois são diferentes os fatores que contribuem para a manifestação ou deficiência do traço, como o temperamento da consciência, seus hábitos, pensamentos, escolhas, ou como a influência do meio em que vive e Zeitgeist (espírito do tempo).

Para facilitar a compreensão, listo abaixo 3 condições predominantes no Zeitgeist atual, que exemplificam impeditivos de autonomia dos jovens, na atual sociedade intrafísica (Socin):

  1. Postergação da adultidade: como exemplo, pode ser citado a opção pela permanência na casa dos pais, mesmo já tendo autonomia financeira e condições de independência. Por carência e dependência emocional e ou financeira, o jovem e o adulto jovem podem permanecer onerando os pais e adiando o amadurecimento que teria como consequência a autonomia.
  2. Autoficção: variedade de games e informação na internet e em redes que pode viciar o jovem ou adulto que não sabe dosar e utilizar a internet de forma sadia e produtiva, além disso, ainda há pessoas que são fãs de desenhos, animes e outros entretenimentos infantilizados, como por exemplo o cosplay. A excessiva opção por esses entretenimentos, em detrimento de leitura sadia, estímulo da intelectualidade, contato com as próprias emoções e reconhecimento realista sobre si mesmo pode afastar o jovem do enfrentamento da vida adulta.
  3. Vitimismo: nesse caso, a consciência muito dependente e que não gosta e nem se esforça para assumir responsabilidades ou para ouvir críticas construtivas, sente-se ofendida com muita facilidade e vê o mundo como cruel e responsável pelo seu sofrimento.

Nesses 3 casos expostos, o jovem não consegue desenvolver a autonomia, por quê:

  1. Posterga ser adulto ao não querer cuidar da própria vida;
  2. Rejeita ser realista sobre si mesmo e sobre o que é a vida, quando opta por se manter infantilizado ou mergulhado em romances literários, games ou redes sociais;
  3. Não quer assumir responsabilidades e nem mudanças íntimas, quando escolhe colocar a culpa em um “mundo cruel que tem o dever de lhe servir”.

Esses são alguns exemplos dos assuntos mais comentados atualmente sobre o Zeitgeist, que tem relação direta com a autonomia do jovem.

Outras influências que inibem a manifestação e a qualidade da autonomia para o jovem estão relacionadas a seu temperamento e traços pessoais, exemplificado a seguir:

  1. Dependência afetiva: ter necessidade de outras consciências por perto emocionalmente ou fisicamente para se sentir bem, validado e reconhecido, ter carência de elogios, atenção e afetos;
  2. Imaturidade financeira: gastar dinheiro com inutilidades ou não poupar nem trabalhar por não gostar, depender dos pais para ter moradia, comida, roupas, internet, sem previsão de autonomia financeira;
  3. Insegurança: pensar que não é capaz de se virar sozinho ou achar que as coisas são difíceis demais ou impossíveis de fazer;
  4. Procrastinação: deixar tudo para depois, “empurrar com a barriga”;
  5. Terceirização: colocar a responsabilidade da sua vida, felicidade e frustrações nas mãos de outra pessoa, sem se dar conta que é totalmente responsável por tudo o que sente, pensa e faz.

O que fazer para adquirir mais autonomia desde a juventude?

autonomia
Fonte: Google Imagens

Conquistar autonomia desde a juventude é uma questão de posicionamentos, atitudes e escolhas do que fazer ou do que deixar de fazer.

Por exemplo, para começar, o jovem pode optar por reconhecer algumas dessas características listadas anteriormente e ter a atitude de não fazer mais o que não presta.

Experimentar deixar de fazer algumas dessas situações, mesmo que aos poucos e por algumas semanas, ajuda a montar um comparativo de como você era antes e como você se sente depois. Observar o que melhorou na rotina, e principalmente, ver o nível de confiança se elevar por ter tido a coragem de fazer essa experimentação.

Receba as novidades sobre inversão existencial em primeira mão!

A opção por experimentar, por si próprio, também é considerada autonomia, pois ela é construída aos poucos.

Abaixo estão listados alguns exemplos de posicionamentos que podem ser feitos pelo jovem que quer amadurecer, desenvolver autoconfiança e ter mais autonomia, e que estão relacionados implicitamente a fundamentos da invéxis:

  1. Voluntariado: iniciar a voluntariado conscienciológico, em especial invexológico, que irá ajudar a construir o senso de responsabilidade, o convívio com colegas e amigos de curso intermissivo e a assistência a outras consciências, a partir de trabalho administrativo ou de pesquisa (participação em Grinvex).
  2. Profissão: busca desde cedo por uma profissão cosmoética que trará autonomia financeira e desenvolvimento da intelectualidade e convivialidade sadia.
  3. Sustentação: a vontade de ser dono da própria vida, dispor de tempo, energias e recursos financeiros para se bancar, bancar seus estudos, comida, moradia, poupança.
  4. Faculdade: se desenvolver profissionalmente e intelectualmente, buscando relacionar as aprendizagens com sua programação existencial, sem ter postura academicista achando que a faculdade e profissão são a missão de vida, nem deixar de lado prioridades evolutivas e assistenciais.
  5. Pé-de-meia: construir uma poupança, investimentos, visando a autonomia financeira e futuramente a independência financeira, possibilitando não precisar ser dependente do trabalho para sempre, e nem correr o risco de ficar sem dinheiro para pagar as contas.
  6. Saída da casa dos pais: assumir sua casa, suas contas, deixar de depender do dinheiro e moradia fornecida pelos pais, administrar o próprio tempo e descobrir quem você é, como são suas energias, pensamentos e escolhas ao tomar conta do próprio espaço, além de sustentar as suas necessidades de sobrevivência.

O jovem apesar de imaginar que todas essas 5 ações listadas acima exigem esforços e oportunizam crescimento, conseguirá internalizar e desenvolver a autonomia maior quando colocar em prática e vivenciar a experiência.

Somente teoria não adianta, é preciso praticar.

Como a invéxis pode ajudar no ganho de autonomia?

Como foi mencionado anteriormente, a invéxis é uma técnica de vida que visa a evolução e assistência com precocidade na juventude e o planejamento de sua vida. Por ser uma técnica, tem uma série de fundamentos básicos, metas e evitações para aplicar e buscar acelerar a assistência e evolução.

Aprofundar no estudo desses fundamentos pode possibilitar maior compreensão sobre o que é a invéxis.

Assim como os exemplos listados na sessão anterior, com a teoria e prática da invéxis, o próprio jovem pode analisar por si mesmo (exercendo sua autonomia) quais são as reciclagens necessárias que precisa fazer, além de saber quais os posicionamentos precisa exercer, de acordo com sua proéxis. 

Entender esse conceito de autonomia e que ela é adquirida quando você se responsabiliza e assume a sua própria manifestação e evolução é importante para se posicionar e buscar atitudes que o desafiarão a galgar ainda mais autonomia sobre sua própria consciência.

Referências:

  1. BORGONHI, Jéssica. Desenvolvimento da Autonomia Invexológica; Artigo; Anais do XXXI Simpósio do Grinvéxis; pg 104-111; 2021.

Tags da sua leitura