Fantasmas, espíritos, assombrações, aparições e muitos outros nomes são dados às consciências que já descartaram o corpo físico, fenômeno também conhecido popularmente como morte. Saiba neste artigo como lidar com o medo de fantasmas sob a ótica do paradigma consciencial.

Você tem medo de fantasmas?
Você tem medo de fantasmas?

Você já teve aquela sensação de estar sendo observado ou mesmo de sentir a presença de alguém quando está sozinho? Pois bem, esse fato é mais comum do que você pensa e pode não ser fruto da imaginação ou algum engano.

Histórias de fantasmas são usadas para assustar crianças desde a antiguidade e permeiam todas as culturas da humanidade. Ao lidar com a morte – que nada mais é do que o descarte do corpo biológico ou a dessoma por parte da consciência – a incompreensão da sua real natureza por parte dos seres humanos fez florescerem mitos e desinformação sobre quem já dessomou.

Os filmes, principalmente os de Hollywood, nos vendem a ideia de que fantasmas são seres maléficos, sempre à espreita, prontos para nos atacar. A disseminação em massa dessa concepção de fantasmas, ajudou a fomentar um entendimento distorcido no senso comum sobre o tema.

Desta forma, ficamos suscetíveis ao medo por ainda não entendermos as origens, natureza e concepções mais realistas do que são essas temidas assombrações.

Assim, o melhor remédio para superar o medo de fantasmas é entender o que são através do estudo e da pesquisa. Primeiramente, veremos o tema pela ótica do paradigma consciencial.

Receba as novidades sobre inversão existencial em primeira mão!

Fantasmas sob o enfoque do Paradigma Consciencial

Um paradigma é todo o conjunto de percepções, entendimentos e concepções que orientam uma atividade, uma linha do conhecimento ou mesmo o comportamento de um indivíduo. Para investigar a natureza da consciência, faz-se necessário um paradigma científico mais amplo, que leve em consideração as múltiplas variáveis atuantes em nossa realidade.

Através do paradigma consciencial, a consciência pode estudar a si mesma, de forma participativa, tomando o seu próprio microuniverso como objeto a ser conhecido com base na experimentação pessoal e nas vivências do experimentador, inclusive dos fenômenos parapsíquicos.

Enquanto seres humanos temos medo daquilo que desconhecemos. Assim, dois fatores que contribuem para o medo de fantasmas é o desconhecimento da realidade multidimensional e pluriexistencial da consciência, abordada de modo racional pela Conscienciologia enquanto bases sustentadoras do paradigma consciencial.

A realidade vivenciada pela consciência não se limita apenas à dimensão intrafísica, mas se estende por múltiplas dimensões, caracterizadas por diferentes padrões vibratórios de energia. Estas dimensões podem ser verificadas através da experiência fora do corpo. Esta é a realidade multidimensional da consciência.

Quanto à realidade pluriexistencial, a consciência não passa apenas por uma existência física, mas por uma série de vidas sucessivas ao longo de seu processo evolutivo, vivenciando períodos alternados entre a dimensão intrafísica (material) e a extrafísica.

Quanto mais lúcida a pessoa estiver para este processo, maior será o aproveitamento das oportunidades de vida a fim de superar suas dificuldades e desenvolver seus aspectos positivos.

Com esses princípios basilares, entende-se que a consciência não morre, passa pelo descarte do soma, ou corpo físico, e que há múltiplas dimensões nas quais a consciência se manifesta. A consciência somos eu e você, muito além do que nossos próprios corpos.

Quando dessomamos passamos para a dimensão extrafísica na condição de consciex ou consciência extrafísica, atuando de psicossoma ou o veículo de manifestação mais sutil que o corpo físico.

Medo de fantasmas

O medo exacerbado de fantasmas, também conhecido como espectrofobia, é a ansiedade e insegurança diante da percepção extrassensorial de consciências extrafísicas.

Esse medo também é associado ao medo do escuro, em que as pessoas costumam relatar mais casos de aparecimento de fantasmas, como no exemplo do medo de dormir com a luz apagada.

A percepção ou mesmo o vislumbre da possibilidade de visualizar fantasmas causa ansiedade e insegurança em muitas pessoas que ignoram a vivência do paradigma consciencial. Por outro lado, há pessoas que buscam desenvolver suas capacidades paraperceptivas de modo útil a fim de acelerar a evolução pessoal descortinando a realidade multidimensional.

Quem percebe fantasmas possui certo nível de desenvolvimento parapsíquico. Para tanto, é preciso realizar uma autorreeducação quanto aos fenômenos parapsíquicos.

O parapsiquismo é ainda visto na sociedade de modo místico, deturpado e idealizado. Ele é mais comum do que se imagina, muitas vezes banalizado por quem o vivencia. Há também quem não saiba interpretar as parapercepções pessoais por falta de intelecção, cognição e sinapses. Daí porque a intelectualidade é relevante para a evolução consciencial, pois sem ela o parapsiquismo permanece primitivo, sem se configurar como um trafor ou traço-força.

Para citar alguns fenômenos que são meios de comunicação entre dimensões:

Clarividência: é a paravisão de consciexes, sem ocorrência de materialização; de objetos e de locais extrafísicos. É o fenômeno pelo qual vemos fantasmas.

Clariaudiência: é a percepção de sons e ruídos extrafísicos, como “vozes” de consciências extrafísicas – consciexes. É o fenômeno pelo qual ouvimos fantasmas.

Telepatia: é a transmissão e recepção de informações entre duas ou mais pessoas, ocorrendo entre pessoas desta dimensão material e entre estas e pessoas de outras dimensões.

O entendimento desses fenômenos parapsíquicos auxiliam no entendimento do próprio medo de fantasmas, pois uma vez dominado esses fenômenos, é mais fácil lidar com maturidade as próprias parapercepções.

🡪 Leia também: As explicações conscienciológicas para o fenômeno poltergeist

Fantasmas são consciências como você e eu. O que nos difere é que estamos na dimensão intrafísica, enquanto aqueles estão na dimensão extrafísica, atuando de psicossoma. Entender que fantasmas são pessoas auxilia a desdramatizar o medo de consciexes e traz uma nova perspectiva sobre com o que – ou melhor, com quem – estamos lidando.

Através do autoesclarecimento e do discernimento superamos os próprios medos e ampliamos a lucidez.

Separamos 18 atitudes para você superar o medo de fantasmas o quanto antes:

Assistencialidade

Manter o foco nas atividades cotidianas interassistenciais através do esclarecimento. A assistência pela tarefa do esclarecimento é a melhor ferramenta atitudinal para superar o medo de fantasmas, pois através dela se cria maior lucidez ante a realidade multidimensional e pluriexistencial da consciência, refletindo no próprio assistente o crescente gabarito para encarar novos desafios.

Autenfrentamento

Enfrentar seus medos internos com discernimento quanto ao que é lógico, real, positivo, do que não é. O autenfrentamento exige coragem e discernimento para saber se posicionar com lógica diante dos fatos e parafatos.

Autoconscientização multidimensional

Atentar para a realidade multidimensional. Com o desenvolvimento das bioenergias e do atributo do parapsiquismo, a consciência se atila para a realidade multidimensional. A atenção a essa realidade auxilia a descortinar as imaturidades da vida.

Autoconscientização multiexistencial

Aplicar técnicas de autoconhecimento auxiliam na autoconscientização multiexistencial. Quanto mais nos pesquisamos e nos conhecemos, menor é o medo, seja de fantasmas, da morte ou de qualquer outro tipo de medo.

Companhias

Estabelecer critérios de escolhas de companhias sadias. Toda companhia intrafísica possui uma contrapartida extrafísica. Ou seja, ninguém está totalmente sozinho o tempo todo, sempre temos companhia ou intra ou extrafísica. Deste modo, faz-se necessário qualificar as companhias intrafísicas para reciclar as companhias extrafísicas. Muitas aparições de fantasmas possuem relação com a pessoa em si.

Conscientização

Conscientize-se dos processos provocadores do medo. Liste os gatilhos que geram a ansiedade e inquietação relacionados ao medo de ver fantasmas.

Coragem

É preciso ter coragem para enfrentar o próprio medo. A pusilanimidade ou a covardia é incitada muitas vezes por consciexes assediadoras e a saída do círculo vicioso vem com o autenfrentamente que exige coragem.

Criticidade

Manter atitude crítica perante ideias arraigadas ou enraizadas na estrutura pensênica – pensamento, sentimento e energia.

Determinação

A autodeterminação auxilia na ultrapassagem dos obstáculos impostos pelo medo. Sem apontar a direção da solução do problema com fantasmas e se mover em direção a isso, a conscin enraíza o medo.

Domínio bioenergético

Criar o hábito de exercitar técnicas energéticas. As bioenergias são cruciais para o domínio do parapsiquismo e da autodefesa energética diante de fantasmas.

Emoção

A autossuperação do medo de consciex favorece o equilíbrio emocional, por isso a autogestão das emoções exacerbadas é crucial para a superação do medo de fantasmas.

Gescons

Produzir obras pessoais libertadoras que trazem a rememoração da consciencialidade das pessoas com base nas autovivências.

Heterocríticas

Aceitar e analisar feedbacks e críticas promotoras de mudanças sadias. A reciclagem intraconsciencial é um dos pilares do paradigma consciencial.

Higiene

Desenvolver a Higiene Consciencial ou a limpeza de todos veículos de manifestação: soma, energossoma, psicossoma e mentalsoma.

Intelectualidade

Buscar o autodesenvolvimento intelectual através do estudo e pesquisa autodidata alinhado ao estudo formal na sociedade.

Posicionamento

Aumentar a autoconfiança se posicionando perante as consciexes e conscins. Os autoposicionamentos geram círculo virtuoso de reforço de um bom hábito.

Profilaxia

Realizar autoprofilaxias por intermédio de estudos e autorreciclagens. As recins ou reciclagens intraconscienciais movem a consciência intrafísica em direção à prevenção do marasmo evolutivo e consequentemente renovam as companhias extrafísicas da conscin.

Raciocínio

Questionar com lógica e fatos, as próprias ideias ultrapassadas. O exercício da racionalidade aqui é essencial para o pensamento crítico quanto aos fenômenos parapsíquicos e as aparições de fantasmas ou consciexes.

A autossuperação do medo irracional de consciex é desafiadora e demanda esforço contínuo de autorreeducação, portanto estude mais sobre fantasmas e parapsiquismo de modo a realizar o desassombro ante a realidade multidimensional e o autodesassédio. Assim, a autoestima e autoconfiança se estruturam em bases sólidas.