Grinvex é um grupo ou uma equipe?

Grupos são formados por algumas pessoas trabalhando no mesmo local somando um número. Equipe é formada por amigos trabalhando juntos, somando conquistas.

Como nossos objetivos, a princípio é demonstrar rapidez num trabalho em conjunto, desenvolver agilidade mental e capacidade de raciocínio rápidos e estudos sobre a consciência, o termo equipe é mais viável já que se trata de um grupo em equipe ajudando-se mutuamente com objetivos comuns visando a evolução conjunta. E isso é muito importante porque não só conquistamos pontos em comum como também ajudamos uns aos outros a conquistá-los pessoalmente.

Um exemplo: se um de nós recupera um “Con” (unidade hipotética de medida do nível de lucidez) e passa adiante a experiência, o grupo pode conquistar outros “Cons” ou então nenhum, mas vai ter o estímulo de tentar recuperá-los.

É nesta cooperação que a equipe funciona no trabalho e principalmente nos estudos, onde leva o esclarecimento a muitas consciências (Tares: tarefa do esclarecimento), através de seus artigos e do seu próprio convívio.

Para haver essa coesão nem tudo são flores. Existe a discordância, “os vários pontos de vista”, as opiniões divergentes. E é aí que entra a democracia e o questionamento existente no grupo, onde somos guiados pela opinião da maioria sempre levando em consideração e questionando a opinião da minoria, e contando com sua colaboração para o complemento da atividade. Não é porque um integrante da equipe, que funciona como minipeça no maximecanismo, não colabora, que o maximecanismo vai parar; outros poderão desempenhar o seu papel, mas o ideal é que todos participem.

A harmonia entre os integrantes é essencial, como também a sinceridade. Esta ajuda muito e é um passo marcante para desembaraçar dúvidas, “cotovelomas”, mágoas, ressentimentos, tudo que causa um entrave na harmonia da equipe. Não podemos ter competição e sim cooperação, as responsabilidades do grupo não são apenas de um integrante e sim de todo o grupo, mesmo que seja realizada por apenas um deles. É por isso que o interesse e a cooperação nos leva a evolução enquanto a competição só vai gerar mesquinharias e desagregação do grupo.

Sabermos conviver e produzir em grupo (em equipe), é tão importante que, se observarmos bem, não conseguimos viver sem ele. Fazemos parte de uma infinidade de grupos que vão da intimidade com nossos amparadores à policarmalidade / multidimensionalidade, passando pelo Grinvex, que se soubermos tirar bom proveito, poderá ser o mais importante para a nossa evolução conjunta.

Com base em tudo isso, podemos afirmar que o Grinvex é uma equipe, funcionando na multidimensionalidade.

  1. FERRY, Gilles. A Prática do Trabalho em Grupo. 256 p.; 8 caps.; Porto Alegre, RS; Brasil: editora Globo, 1974.
    2. FRITZEN, Silvino José. Exercícios Práticos de Dinânica de Grupo. 14a ed.; 2° vol; editora Vozes Ltda, 1990.
    3. PICHON-RIVIÈRE, Enrique. O Processo Grupal. 182 p.; São Paulo, SP; Brasil: Livraria Martins Fontes Editora Ltda, 1983.
    4. ROGERS, Carl R. Grupos de Encontro. 166 p.; 10 caps.; São Paulo, SP; Brasil: Livraria Martins Fontes Editora Ltda, 1970.
    5. VIEIRA, Waldo. Miniglossário da Conscienciologia. 58 p.; Rio de Janeiro, RJ; Brasil: Instituto Internacional de Projeciologia, 1992.
    6. VIEIRA, Waldo. Projeciologia: Panorama das Experiências da Consciência Fora do Corpo Humano. 900 p.; XVII caps.; Rio de Janeiro, RJ; Brasil; Instituto Internacional de Projeciologia, 1986.
    7. VIEIRA, Waldo. 700 Experimentos da Conscienciologia. 1060 p.; XL caps.; Rio de Janeiro, RJ; Brasil: Instituto Internacional de Projeciologia, 1994.