A comunicação possui vários sentidos: ato ou efeito de emitir, transmitir e receber mensagens por métodos e/ou processos convencionados, quer através da linguagem falada ou escrita, ou de outros sinais, signos ou símbolos, quer de aparelhamento técnico especializado, sonoro e/ou visual; capacidade de trocar ou discutir ideias, de dialogar e de conversar, com vista ao bom entendimento entre as pessoas; e, exposição oral ou escrita sobre determinado assunto.

Já a linguagem pode ser descrita como: o uso da palavra articulada ou escrita como meio de expressão e de comunicação entre pessoas; tudo quanto serve para expressar ideias, sentimentos, modos de comportamentos, e que exclui seu uso: a linguagem musical, a não verbal; e, essa também é todo o sistema de signos que serve de meio de comunicação entre indivíduos e pode ser percebido pelos diversos órgãos do sentido, o que leva a distinguir-se uma linguagem visual, auditiva, olfativa, entre outras.

comunicação


A comunicação se expressa pela linguagem verbal – que nem sempre é comunicativa – e pela não verbal (silêncio, olhar, gestos). O que se visa neste processo é um máximo de informações, juntamente a um máximo de fidelidade. Elas são fiéis quando produzem os efeitos previstos pelo emissor, coincidindo, ainda, emissor e receptor no concernente ao conteúdo da mensagem. Pela transmissão desta surgem duas questões no que diz respeito à expressão do sentido com maior clareza: o vocabulário (o uso da melhor palavra) e a gramática (disposição destas palavras).

Receba as principais novidades sobre inversão existencial

5 habilidades de linguagem e comunicação


Há cinco habilidades de comunicação: a escrita, a falada, de leitura, de ausculta e de raciocínio. Ainda há outras, como: a pintura, o desenho e o gesto. Essas habilidades e a facilidade de manejar o código de linguagem afetam nossos pensamentos e até nossa capacidade de codificá-los.

Provavelmente a linguagem humana se desenvolveu porque serviu a uma função. A linguagem está a serviço de duas principais: 1) um sistema de respostas através do qual os indivíduos se comunicam (comunicação interindividual); 2) um sistema de respostas que facilita o pensamento e a ação do indivíduo (comunicação intraindividual).

A comunicação aumenta a possibilidade de semelhança entre as pessoas, porque intensifica as trocas e, também, de colaborarem para a consecução de um objetivo.

O pensamento auxiliado pela linguagem é chamado raciocínio. Esta capacidade de raciocinar depende em grande parte da formulação de passos numa seqüência de inferência, em termos de linguagem.

O pensamento corrente apoia-se em nosso repositório dinâmico de ações passadas, a memória. Dinâmico, pois a cada instante reconstruímos uma representação interna de nossa exposição do mundo. Ao mesmo tempo, o pensamento vindouro resulta de uma restruturação da experiência, passando a fazer parte do registro mnemônico cumulativo.

Eis algumas questões para você pensar: você consegue comunicar exatamente o que você pensa? E a sua memória, ela atua como agente positivo no processo do raciocínio, ou ela anda falhando? Você procura aumentar o seu vocabulário e compreender bem a gramática para ser melhor entendido?

A comunicação e os pensenes

Comunicar é transmitir pensenes.

O que é relevante é a sinceridade da comunicação e não, se é agradável ou desagradável. Para isso o que você comunica tem que ser aquilo o que você pensa, com a energia, o sentimento e a intenção compatíveis com a informação que se pretende passar.

Daí advém a importância da linguagem; ela verbaliza ou simplesmente, serve de meio para comunicar seus pensenes!

Bibliografia

  1. BERLO, D. K. O Processo da Comunicação Humana. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1986.
  2. CARROLL, J. B. Psicologia da Linguagem. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1972.
  3. FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1986.
  4. GREENE, J. Pensamento e Linguagem. Rio de Janeiro; Ed. Zahar, 1976.
  5. PENNA, A. G. Comunicação e Linguagem. Rio de Janeiro: Ed. Eldorado, 1976.