Fenômenos Parapsíquicos

O parapsiquismo, ou paraperceptibilidade, é a condição vivenciada por quem percebe a realidade para além dos sentidos físicos, por meio de diferentes fenômenos parapsíquicos. Tal condição é inerente à todas as consciências e pode ser desenvolvida a partir da aplicação de técnicas, por qualquer pessoa interessada.

O parapsiquismo é indispensável à realização da programação existencial, pois permite o contato com a multidimensionalidade, a recuperação de cons (unidades de lucidez), a rememoração do curso intermissivo (ocorrido antes da atual vida humana), o trabalho direto junto aos amparadores extrafísicos e a assertividade quanto ao prioritário. É trafor essencial ao inversor existencial.

Como forma de exemplificar as diferentes formas de se vivenciar o parapsiquismo, listamos a seguir em ordem alfabética, 15 fenômenos parapsíquicos úteis para a vida produtiva, assistencial, do inversor:

01. Assim: a assimilação simpática (assim) é o fenômeno desencadeado em seguida ao acoplamento, ou interfusão energética profunda entre duas ou mais consciências intrafísicas (conscins). Ocorre a captação, por parte de quem assimila, dos pensenes (pensamentos, sentimentos e energias) e disposições gerais da outra pessoa. A assim pode ser recurso assistencial a partir da identificação do que o assistido pensa e sente. É recurso que vai muito além de simples telepatia.

02. Clariaudiência: é a percepção de sons e ruídos extrafísicos, como “vozes” de consciências extrafísicas – consciexes.

03. Clarividência: é a paravisão de consciexes, sem ocorrência de materialização; de objetos e de locais extrafísicos.

04. Clarividência viajora: é a visualização de pessoas, objetos e locais à distância, em muitos casos, em país e até continente diferente.

05. Cosmoconsciência: é a condição de expansão máxima de lucidez e percepção, em que a consciência se sente unida ou interligada com o Universo, compreendendo as conexões multidimensionais e interconscienciais. É geralmente desencadeada a partir de projeção do mentalsoma. Este fenômeno é conhecido também como samádi, satori, Tao absoluto, nirvana, entre outros.

06. Desassim: a desassimilação simpática (desassim) é a promoção da assepsia do energossoma através da vontade (especialmente pelo estado vibracional), após a assim, eliminando resíduos energéticos alheios na psicosfera do assistente.

07. Descoincidência vígil sadia: é o estado de descoincidência sadia dos veículos de manifestação na vigília física, permitindo à conscin ter percepções intra e extrafísicas concomitantes.

08. Pangrafia: é o registro realizado pela conscin a partir do funcionamento de várias parapercepções concomitantes, geralmente desencadeado com auxílio de amparadores extrafísicos para trabalhos policármicos.

09. Precognições: é a aquisição parapsíquica de informações sobre possíveis acontecimentos futuros.

10. PC: é a projeção da consciência, experiência fora do corpo humano, também conhecida popularmente como viagem astral e desdobramento.

11. Psicofonia: é a expressão oral, física, das consciexes através do aparelho fonador da conscin parapsíquica.

12. Psicometria: é a leitura energética de objetos, pessoas e locais, tendo relação direta em muitos casos com a Assim, a Retrocognição, a Clarividência, entre outros.

13. Retrocognições: é a rememoração de vivências anteriores, no caso, vidas passadas ou experiências intermissivas na dimensão extrafísica.

14. Sinalética energética: é o conjunto de sinais físicos, parapsíquicos, desencadeados a partir da interação entre as ocorrências extrafísicas e o holossoma da conscin. Sinais específicos podem indicar situações extrafísicas em andamento, presença de consciex positiva ou negativa, certeza quanto ao prognóstico de determinada condição, indicação do melhor caminho a seguir, dentre inúmeras outras relações.

15. Telepatia: é a transmissão e recepção de informações entre duas ou mais pessoas, ocorrendo entre pessoas desta dimensão material e entre estas e pessoas de outras dimensões.

O parapsiquismo é ainda visto na sociedade de modo místico, deturpado e idealizado. Ele é mais comum do que se imagina, muitas vezes banalizado por quem o vivencia. Há também quem não saiba interpretar as parapercepções pessoais por falta de intelecção, cognição e sinapses. Daí por que na tridotalidade consciencial o primeiro agente é a intelectualidade, pois sem ela o parapsiquismo permanece primitivo, sem se configurar como um trafor.

Ao inversor existencial, o ideal é avaliar a aplicação prática de seu parapsiquismo, mesmo que incipiente, mas de modo cosmoético. Um sensitivo desequilibrado, sem maturidade para interpretar as experiências pessoais, ou ainda, com aplicação anticosmoética (por exemplo, a manipulação de pessoas), de nada adianta. O parapsiquismo destacado aqui visa auxiliar na autopesquisa, na interassistencialidade e, conseqüentemente, no cumprimento da proéxis.