Paradigma Consciencial

O Paradigma Consciencial é a teoria líder que fundamenta a ciência Conscienciologia. Propõe a ampliação do pensamento científico ao oferecer uma visão integral do Universo e da consciência

Mas primeiro, o que é um paradigma?

Um paradigma é todo o conjunto de percepções, entendimentos e concepções que orientam uma atividade, uma linha do conhecimento ou mesmo o comportamento de um indivíduo.

Toda ciência necessita de referenciais e pressupostos teóricos que sirvam de base para o seu trabalho, orientando a percepção dos cientistas, indicando o caminho das pesquisas e definindo os limites de abrangência do campo de pesquisa.

A ciência convencional, vigente há 4 séculos aproximadamente, veio construindo, ao longo deste tempo, o paradigma científico clássico.

Seus pilares foram definidos por cientistas e pensadores, a exemplo de René Descartes, Isaac Newton, Galileu Galilei e Francis Bacon, sendo considerada, por muitos autores como uma ciência mecanicista, materialista ou fisicalista.

Esse paradigma vem tendo grande serventia para o desenvolvimento da humanidade, porém é indicado para a investigação dos fenômenos que compõem o universo físico. Ao direcioná-lo para a complexa realidade da consciência, ele mostra-se insuficiente. A consciência, e a realidade multidimensional na qual se manifesta, não se encaixam no tipo de “objetividade” requisitada pela ciência convencional.

A tentativa de pesquisar uma realidade com base em um paradigma mais restrito, leva os pesquisadores a erros conceituais, lógicas distorcidas e achados “mascarados” (artefato científico) que podem limitar o entendimento sobre a existência humana.

Para investigar a natureza da consciência, faz-se necessário um paradigma científico mais amplo, que leve em consideração as múltiplas variáveis atuantes em nossa realidade.

Premissas do Paradigma Consciencial

Através do paradigma consciencial, a consciência pode estudar a si mesma, de forma participativa, tomando o seu próprio microuniverso como objeto a ser conhecido.

Este paradigma baseia-se na experimentação pessoal, nas vivências do pesquisador e na troca científica dos resultados das pesquisas. Estimula a criticidade, o questionamento, a racionalidade na interpretação dos achados e a não-aceitação simples de verdades prontas.

O paradigma consciencial parte das seguintes premissas básicas:

1. Veículos. A consciência manifesta-se não apenas através de um corpo físico, mas dispõe de um conjunto de diferentes corpos ou veículos de manifestação (biológico, energético, astral ou emocional e mental).

2. Bioenergias. Em nossa existência humana, as energias têm influência direta em todas as relações estabelecidas com pessoas, ambientes e situações, sendo de fundamental importância o seu entendimento e domínio para a nossa saúde.

3. Dimensões. A realidade vivenciada pela consciência não se limita apenas à dimensão intrafísica, mas se estende por múltiplas dimensões, caracterizadas por diferentes padrões vibratórios de energia. Estas dimensões podem ser verificadas através da experiência fora do corpo.

4. Existências. A consciência não passa apenas por uma existência física, mas por uma série de vidas sucessivas ao longo de seu processo evolutivo, vivenciando períodos alternados entre a dimensão intrafísica (material) e a extrafísica. Quanto mais lúcida a pessoa estiver para este processo, maior será o aproveitamento das oportunidades de vida a fim de superar suas dificuldades e desenvolver seus aspectos positivos.

5. Universalismo. Através da percepção da realidade multidimensional, a consciência vivencia o Universalismo, ou seja, um senso de integração universal, cosmopolita e aberto, superando os sectarismos, bairrismos e preconceitos de qualquer tipo.

Atualmente existem várias instituições que desenvolvem pesquisas, cursos e publicações fundamentadas no paradigma consciencial, ampliando a compreensão madura sobre a existência humana.