O conjunto de artefatos do saber mais intelectualizante que existe até os tempos atuais, a Biblioteca, foi na antigüidade um grande foco de conflitos sociais. Segundo a História, as primeiras bibliotecas surgiram na Caldéia e no Egito. As maiores vieram depois: Atenas, em Alexandria com 700 mil volumes, e a de Pérgamo, com 200 mil pergaminhos.

Uma biblioteca com muitas estantes

Período Antigo e Idade Média


Neste período antigo até a Idade Média, muitos volumes foram queimados em praças públicas. Salvaram-se as bibliotecas que permaneceram escondidas em locais como catacumbas. Devido a essas tragédias históricas, algumas culturas ficaram desconhecidas, pois todos os registros com inúmeros livros desapareceram nas fogueiras. Dentre os principais motivos desencadeadores deste tipo de atitude, destacam-se as ideologias bélicas e/ou religiosas, guiadas pela sonegação de informações, ou seja, ao povo eram negados os recursos do saber. Recursos estes acessíveis e reservados apenas aos nobres e sacerdotes.

A Biblioteca no Mundo Moderno


Em contraste com esta época, o mundo moderno teve progressos sócio-culturais significativos. O abertismo consciencial se instalou no pensamento da Humanidade e, como prova, surgiram as primeiras bibliotecas públicas. Esse movimento começou nos Estados Unidos da América em 1731.

Hoje as bibliotecas dividem-se em nacionais, públicas, universitárias, escolares, infantis, especializadas e, mais recentes, as móveis que oferecem serviços a domicílio.

No Brasil, a maior delas é a Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, onde é a pioneira da América do Sul, estando entre as 20 maiores do mundo, com 8.000.000 de volumes aproximadamente.

Foto da biblioteca nacional do Rio de Janeiro

Receba as principais novidades sobre inversão existencial

Conclusão

Antigamente a Biblioteca, como patrimônio cultural aplicada à preservação e evolução do pensamento humano, teve como adversária as fogueiras. Na atualidade tem como símbolo da anticultura, a mídia eletrônica, que na sua maioria, mais deforma do que informa às pessoas. Contudo a população tem maiores recursos para avaliar o mais sensato para todos. E tudo indica que a Biblioteca é o melhor meio para este despertamento coletivo, maduro e consciencial.

Veja também>> https://assinvexis.org/artigos/informacao-uma-fonte-de-poder/

1. FERRAZ; Wanda. A Biblioteca. São Paulo: Livraria Freitas Barros S/A, 1957.
2. UNESCO, Jornal O Correio. Rio de Janeiro, Abril de 1985.

Tags da sua leitura