Invéxis e empreendedorismo

A inversão existencial pressupõe a otimização máxima da vida humana para materialização da programação existencial, em prol da realização de assistência pelo esclarecimento e desenvolvimento de reciclagens intraconscienciais desde a juventude. Nesta ótica, a escolha do empreendedorismo não ocorre meramente com base nos indicadores financeiros, valendo-se sobretudo do viés evolutivo.

O empreendedorismo evolutivo é a “condição onde se transformam ideias, oportunidades e projetos em ações, realizando mudanças e alcançando resultados assistenciais, cosmoéticos e promotores da evolução consciencial, multidimensional e multiexistencial” (Paludeto, 2012, p. 471).

O desenvolvimento de competências empreendedoras no perfil pessoal dinamiza a vivência da inversão existencial. Conforme Paludeto (2012, p. 474), eis a seguir 20 competências do empreendedor evolutivo, a serem desenvolvidas pela conscin inversora, divididas em 4 categorias:

O empreendedorismo é condição viável ao jovem inversor com intuito de fazer um pé de meia para se tornar independente.
Fonte: Pixabay

Atitude

Autoconfiança; autorganização; comprometimento; disciplina; interdependência; sinergia.

Aprendizado

Busca de informações; feedback; reflexão.

Planejamento

Cálculo de riscos; estabelecimento de metas; planejamento e monitoramento sistemático.

Execução

Assistencialidade; efetividade; busca de oportunidades; correr riscos; iniciativa; persistência; persuasão cosmoética; rede de contatos.

Mantenha-se informado!

O empreendimento

Antes de empreender, vale ressaltar que a conscin deve avaliar seu perfil profissional, por exemplo, se possui tendência ao workaholism (auto-suicídio lento), ou se tem perfil mais de liderado (empregado), autônomo (profissional liberal) ou líder (visão de conjunto grupal), considerando as lacunas que precisa desenvolver para ter sucesso no empreendimento. Você já identificou as singularidades do seu perfil profissional? 

Não necessariamente a conscin disposta a desenvolver estas características precisa montar uma empresa, podendo exercê-las em qualquer trabalho, seja enquanto funcionário e em especial no voluntariado conscienciológico.

Dentro da própria vivência da invéxis em diversos casos é necessário o desenvolvimento de tais traços para que a conscin execute de modo otimizado sua proéxis, saindo do amadorismo. Reflita: como você emprega seus atributos empreendedores? Com qual intenção: a de ajudar e proporcionar o melhor para mais pessoas ou apenas para elevar o próprio ego?

Empresa Conscienciocêntrica

Outra possibilidade é a constituição de uma empresa conscienciocêntrica (EC), cujos valores pautam-se pelo paradigma consciencial, visando a execução de soluções cosmoéticas e lucrativas para atender demandas dos clientes por meio de uma gestão empresarial evolutiva.

Um requisito essencial no empreendedorismo evolutivo é a manutenção de elevado grau de cosmoética nas relações interpessoais e nos produtos, processos e serviços prestados pela empresa ou instituição, em contraposição à existência ainda comum das diversas maracutaias e negocinhos para se ganhar dinheiro fácil de acordo com o famoso jeitinho brasileiro.

Empreendedorismo cosmoético

A opção pelo empreendedorismo de negócios cosmoéticos na invéxis exige bastante autorreflexão por parte do inversor, verificando se os objetivos pessoais encontram-se adequados para a carreira de empresário. Eis a seguir, uma tabela listando 5 prós e contras desta condição:

N. Prós Contras
1. Maior retorno financeiro em caso de sucesso, podendo ampliar a liberdade futura. Maior perda financeira em caso de insucesso, podendo restringir a liberdade futura.
2. Possibilidade de definir os rumos do negócio tendo como base a cosmoética. A responsabilização pelos funcionários e pelas decisões do negócio, evitando o risco de ações trabalhistas e a insolvência da empresa.
3. Maior flexibilidade de horários após o negócio estabilizar-se, abrindo espaço para maior dedicação à programação existencial. Alta dedicação de tempo até fazer o negócio decolar, podendo inclusive ocasionar em perda de oportunidades.
4. Tendência a maiores rendimentos mensais a partir da estabilização do negócio. Maior investimento inicial para dar o start ao negócio, e ausência de rendimentos até atingir o ponto de equilíbrio.
5. Possibilidade de atingir a independência financeira mais rapidamente dentro da cronologia pessoal. Possibilidade de dispersão do essencial da programação existencial no caso de pessoas com falta de foco e autogestão.

Empreendedorismo e Pesquisador Independente

O foco do empreendedorismo na invéxis deve ser o de acelerar a liberdade intrafísica e financeira sem deixar de lado as demais áreas da vida, sendo um meio e não um fim em si mesmo. De nada adianta trabalhar muito, criar uma grande empresa ou possuir um cargo de alto salário, e viver usando algemas de ouro (Eliachar, 2014), uma das coleiras do ego da sociedade atual, e ainda deixar de lado o processo de evolução multidimensional e assistencial por meios das recins e das interrelações conscienciais.

Por este motivo, a meta magna do empreendedor sob a ótica da inversão existencial é atingir a condição de pesquisador independente de dedicação exclusiva à programação existencial, podendo trabalhar livremente na exposição de verdades relativas de ponta multidimensionais sem depender do viés financeiro para isso.

Referências

01.  Borges, Pedro; Inversão Financeira; verbete; in: Vieira, Waldo (org.); Enciclopédia da Cons-cienciologia Eletrônica; CD-ROM; 2.498 verbetes; 11.034 p.; 354 especialidades; 8ª Ed.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2014.

02.  Eliachar, Karina; Algema de Ouro; verbete; in: Vieira, Waldo (org.); Enciclopédia da Cons-cienciologia Eletrônica; CD-ROM; 2.498 verbetes; 11.034 p.; 354 especialidades; 8ª Ed.; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2014.

03.  Paludeto, Leonardo; Empreendedorismo Evolutivo: Técnica de Vida com Base em Competências Cons­cien­ciais; Artigo; Conscientia; Revista; Trimestral: Anais do X Congresso Internacional de Inversão Existencial; Vol. 15; N. 3; Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (CEAEC); Foz do Iguaçu, PR; Julho, 2012; páginas 469 a 482.