Saiba como a juventude se associa à liderança, como é o seu exercício na prática e de que modo podemos conjugá-los de uma forma mais ampla e qualificada.

Adolescentes e pares

Independente da geração que esteja sendo analisada, sabemos que uma das características do período da adolescência é a reunião dos jovens em grupos, bandos, tribos. Os adolescentes portanto se apoiam em seus pares. Alguns deles fazem isso, pois desafiam os padrões adultos e a autoridade dos pais e buscam aconselhamento com os amigos. Outros questionam os modelos de comportamento dos pais, mas ainda não se sentem seguros o suficiente e buscam seus pares para saber o que é bom e o que é ruim.

Liderança e grupo

Toda formação de um grupo, seja ela formalizada num ambiente de trabalho ou não, demanda o exercício da liderança. A concepção mais usual de liderança consiste na habilidade de motivar e estimular as pessoas de maneira positiva. Conduzir o time em prol dos objetivos e metas, acolher e inspirar a equipe, com atitudes e estratégias bem pensadas e saber se portar de modo que incentive a equipe a seguir o líder. Ou seja, aqui o conceito de liderança está assentado no indivíduo que expressa características de personalidade tais como domínio, controle do ego, agressividade ou libertação de tendências paranóicas.

No entanto, para outros estudiosos, a liderança é uma característica de um grupo, podendo ser sinônimo de prestígio, de manutenção de determinado posto, de realização de atividades importantes para o grupo e de uma relação emocional entre o líder e o grupo.

Fonte: Freepik

Exercício da liderança na juventude

Na juventude, o exercício das funções de líder e liderado ocorrem de diferentes maneiras, como por exemplo: 1) Na escola, quando da realização de seminários grupais ou também na eleição de líder e vice-líder de turma; 2) Na prática de esportes coletivos, sendo que em vários deles há um capitão ou capitã do time oficializado(a); 3) Da formação de chapas para eleição de Grêmio Estudantil; 4) De organizações juvenis como os escoteiros; 4) Grupos de amigos que moram no mesmo bairro e que se articulam para promover ações em conjunto, dentre outros.


Juventude e liderança no Paradigma Consciencial

Quando trazemos o tema da liderança e da juventude à luz do Paradigma Consciencial, expandimos os conceitos e qualificamos a sua prática.

O Paradigma Consciencial é a teoria-líder que embasa as pesquisas da ciência Conscienciologia. A Conscienciologia é a ciência que estuda a consciência numa abordagem integral, com todos os seus corpos, existências, experiências, épocas e lugares de vida. A consciência sou eu, você, todas as pessoas nesta vida humana e todos os seres autoconscientes que estejam em outras dimensões também.

Isso significa que quando falamos da habilidade da liderança, a mesma já foi experimentada em vidas pretéritas e também será vivenciada em vidas futuras. Na atual vida humana, estamos tendo uma nova oportunidade de praticá-la.

Oportunidades do exercício da liderança na juventude

A ciência Conscienciologia é desenvolvida, pesquisada e debatida por (auto)pesquisadores que se articulam em organismos conscienciocêntricos, ou seja, em instituições que privilegiam o desenvolvimento da consciência.
O (auto)pesquisador interessado em profissionalizar os estudos sobre si mesmo e sobre como colocar em prática seu propósito de vida, pode ser tornar voluntário de algum organismo conscienciocêntrico e assumir lideranças em trabalhos interassistenciais, sejam eles a realização de uma palestra pública, de um curso introdutório, intermediário ou avançado, de uma visita guiada a um campus de pesquisa conscienciológico. 

A assunção de lideranças nesses trabalhos pode ser feita a qualquer momento e em qualquer idade cronológica, no entanto, quando feita desde a juventude tende a catalisar o desenvolvimento de trafores (traços forças, talentos) e a superação de trafares (traços fardos, imaturidades).

Para o jovem que sabe que não veio a essa vida a passeio e que portanto tem um propósito de vida a ser cumprido, há uma outra oportunidade para o exercício da liderança que é a participação no Grinvex. O Grinvex é o grupo de pesquisa dos inversores existenciais. Os participantes desse grupo de pesquisa aplicam a técnica evolutiva existencial da invéxis – inversão existencial – como estratégia de materialização do curso intermissivo. O curso intermissivo foi o momento imediatamente anterior a essa vida humana no qual a consciência definiu os compromissos a serem implementados na próxima existência.

Você é intermissivista?!

De modo que convido você leitor ou leitora a aplicar o princípio da descrença. Não acredite em nada que está escrito aqui nesse artigo, tenha suas experiências pessoais. Se esse conteúdo fez sentido para você, fez ideias fervilharem na sua cabeça ou se fez você se movimentar na sua cadeira, provavelmente você é um(a) intermissivista, se comprometeu com algo maior para dar materialidade nessa vida humana e está sendo demandado a assumir sua liderança. A ASSINVÉXIS – Associação Internacional de Inversão Existencial – está aberta para te receber nas nossas redes sociais e também presencialmente no Campus de Invexologia que está localizado na cidade de Foz do Iguaçu-PR. Para mais informações, se inscreva na nossa lista e fale conosco.

Receba as novidades sobre inversão existencial em primeira mão!

Referências bibliográficas:

  1. CARTWRIGHT, Dorwin & ZANDER, Alvin (Orgs.). Dinâmica de grupo: pesquisa e teoria. E.P.U. – Editora Pedagógica e Universitária Ltda. EDUSP – Editora da Universidade de São Paulo. São Paulo: 1975, p. 389.
  2. PAPALIA, Diane E.; OLDS, Sally Wendkos & FELDMAN, Ruth Duskin. Desenvolvimento Humano. 8ª edição. Artmed: Porto Alegre-RS, 2006, p. 500.
  3. VIEIRA, Waldo. Nossa Evolução. Rio de Janeiro: Instituto Internacional de Projeciologia, 1996, p. 7, 14, 15, 49, 50.
  4. G4 EDUCAÇÃO. Liderança: o que é, técnicas e como ser um ótimo líder. <https://g4educacao.com/portal/o-que-e-lideranca/>. Acessado em 30/10/2022.