Você conhece o método GTD de organização do livro “A Arte de Fazer Acontecer”? Qual a relação desse método com a técnica da inversão existencial, que também ajuda na organização da vida? Neste artigo iremos abordar os passos do método de organização e sua correlação com a técnica da invéxis.

A metodologia Getting Things Done, ou A Arte de Fazer Acontecer, é um método ou sistema de organização pessoal criado pelo norte americano David Allen. Inventado com a finalidade de auxiliar executivos de grandes empresas a se organizarem, hoje ele foi aperfeiçoado para ser aplicado por qualquer pessoa do mundo.

A inversão existencial, ou invéxis, é uma das técnicas da Conscienciologia que visa auxiliar o jovem a cumprir sua programação existencial, ou missão de vida. O objetivo desta técnica é manter pessoa focada em seus objetivos de vida desde a juventude. A organização pessoal é um dos fundamentos desta técnica e o método GTD pode muito auxiliar.

Como funciona o método GTD de organização

O método GTD foi apresentado pela primeira vez no livro A Arte de Fazer Acontecer, hoje publicado pela editora Sextante.

Livro A arte de fazer acontecer: método de organização
Fonte: Google Imagens

A filosofia básica do GTD está na frase: o cérebro foi feito para ter ideias, não para guardá-las. Sua proposta é a criação de um sistema de organização pessoal completo e integrado.

Com isto, é criado um “cérebro externo” onde as informações e detalhes de nossa vida são armazenados. Este sistema é composto apenas de pastas e listas, contendo os detalhes de nossos projetos e próximas ações, bem como documentos de referência.

A ferramentas usadas podem ser cadernos, agendas, softwares de gestão de tarefas ou planilhas. As ferramentas você que escolhe, pois elas não são o centro da metodologia. O ideal é sermos flexíveis, saber usar tanto ferramentas físicas quanto virtuais, a depender das circunstâncias. O método GTD é baseado em 5 hábitos:

-—> Leia também: Como organizar a vida desde a juventude

as cinco etapas do método de organização gtd
Fonte: Google Imagens

A) Capturar

A captura consiste na anotação, seja em folha de papel ou software, de algum estímulo considerado relevante. Por exemplo, quando seu chefe te pede um relatório, você anota o pedido em uma folha de papel. Caso tenha alguma ideia importante para um trabalho de faculdade, anota em outra folha para não a esquecer.

Com isto, garantimos que não iremos nos esquecer dos compromissos, ideias importantes ou pedidos de outras pessoas. É uma forma de garantir a sobrevivência das informações e ao mesmo tempo manter a mente tranquila. Quando tentamos guardar tudo na memória, a tendência é nos sentirmos sobrecarregados com o desgaste mental.

Além do exercício ativo de captura, também exercitamos este hábito automaticamente no mundo moderno. E-mails, Whatsapp, Facebook ou mesmo ligações no telefone pessoal são meios automáticos de captura, os quais precisamos estar constantemente atentos para os inputs por eles capturados. Em geral, as principais ferramentas de captura, também chamadas de caixa de entrada, são:

1.  Bandejas de papel, para capturas físicas;

2.  Grupo de whatsapp apenas com você, para capturar ideias em qualquer lugar;

3.  E-mail, ferramenta que funciona automaticamente;

Podemos usar um caderno. Entretanto, um caderno pode virar um acúmulo amorfo de informações difíceis de lidar. O ideal é que nossa caixa de entrada seja algum objeto cujas informações nele contida não permanecem por muito tempo. Por isso usar apenas blocos de anotações, por exemplo.

B) Esclarecer

Anotar para não esquecer ainda é um hábito corriqueiro de muitas pessoas. Entretanto, devido à falta de método para lidar com estas anotações, acaba acumulando uma pilha de papéis desorganizada que nada diz a respeito das tarefas que deve cumprir.

Por isso o método GTD propõe o hábito do esclarecimento. É importante definirmos o significado de cada estímulo, de modo que possamos identificar próximas ações, projetos, armazenar informações em nossa biblioteca pessoa ou mesmo descartar.

É como observar listar de tarefas contendo itens como “Mãe”, “Cachorro”, “Carro”. Palavras como essas nada dizem a respeito do que temos que fazer e tendem a estimular a procrastinação. Esclarecer um item capturado significa definir com precisão o que ele significa. O método GTD ensina uma técnica para fazermos esse esclarecimento, conforme a figura abaixo

Diagrama do fluxo de trabalho do método de organização gtd
Fonte: Google Imagens

Primeiro Passo do método GTD

O primeiro passo para o esclarecimento é analisar o item contido na nossa caixa de entrada e se perguntar: “o que é isto?”. Essa primeira pergunta aumentará seu nível de foco a respeito de qual decisão tomar a respeito daquele estímulo.

-—> Leia também: Planejamento de Vida desde a Juventude

Segundo Passo do método GTD

O segundo passo é perguntar se aquele item demanda ação. Caso demande alguma ação e ela demorar menos de 2 minutos, a fazemos na hora. Isso é chamada regra de dois minutos, e serve para não procrastinarmos tarefas pequenas.

Terceiro Passo do método GTD

Caso a ação leve mais de dois minutos para ser finalizada, definimos qual a próxima ação física e visível precisa ser feita, e então anotamos essa ação em uma lista de próximas ações. Além disso, se determinado item demandar mais de uma ação para ser concluído, alocamos ele em uma lista de projetos.

Se o item não demandar ação alguma, temos 3 opções.

1. Lixo: opção mais divertida, jogamos o item no lixo quando ele é inútil.

2. Lista algum dia / talvez: podemos definir um projeto ou ação que não desejamos cumprir neste momento de nossa vida. 3. Referência: às vezes o item pode ser somente uma referência, como um documento, número do voo, etc.

Mantenha-se informado!

C) Organizar

Depois de capturar e esclarecer uma informação, o método GTD propõe que armazenemos ela em um sistema de lembretes fora de nossa cabeça. Como já vimos antes, vamos armazenando esses itens enquanto fazemos o processo de esclarecimento.

Quando fazemos isso, deixamos nossa mente livre para ser criativa, pois ela não precisa guardar detalhes operacionais da vida prática. Além disso, nos prevenimos contra o esquecimento de tarefas importantes.

Já comentamos um pouco anteriormente, mas somente para recapitular, David propõe que organizemos nossa lista de lembretes da seguinte forma:

1. Lista de Projetos: projeto é qualquer resultado esperado que desejamos atingir em menos de um ano e exija mais de uma ação.Lista de Próxima

2. Ações: é a próxima ação física e visível para atingirmos um resultado.

3. Algum dia/talvez: são ações e projetos que achamos interessantes, mas não queremos fazer neste momento de vida. Guardamos ela em uma lista para revisarmos no futuro e talvez a realizar.

4. Arquivos de referência: são documentos, papeis ou informações relevantes que não demandem ação. Aqui se incluem passaportes, passagem aéreas, documentos pessoais, comprovantes ficais, dentre outros.

Revisão

Além de organizar essas listas, precisamos ter o hábito de revisá-las constantemente, caso contrário elas perdem sua funcionalidade. Existe algumas maneiras de organizar essas listas de um modo que seja mais fácil revisá-las.

Lista de próximas ações

A lista de próximas ações não precisa ser organizada por prioridade. Quando temos uma lista com todas as ações que podemos tomar, nosso nível de foco intuitivo natualmente decide qual a tarefa mais importante naquele momento.

Uma interessante é separar nossas próximas ações por contexto. Por exemplo, podemos ter uma lista “No escritório”, outra “No computador”, ou então “Na rua”. Deste modo, sempre que estivermos nesses contextos, podemos revisar a lista de realizar as ações mais adequado ao tempo e local.

A lista de projetos também não precisa ser organizada por prioridade. Podemos separar duas listas: uma com projetos e pessoais e outra com profissionais. No entanto, quanto mais simples melhor. Eu mesmo uso somente uma lista de projetos.

D) Refletir

A organização pessoal não é algo estático, definido uma vez e mantida pelo resto de nossas vidas. Nossa vida é dinâmica, as prioridades mudam, as ferramentas amadurecem e nosso estilo pessoal também. Por isso, constantemente precisamos revisar nosso sistema de organização pessoal para que ele melhor se adeque às nossas necessidades.

Para exercer essa reflexão, a principal técnica proposta pelo método GTD é a revisão semanal. A revisão semanal consiste na revisão de todos os itens contidos em nosso sistema pessoal a fim de obtermos consciência e controle das variáveis da nossa vida.

Essa revisão consiste na análise de pelo menos 5 variáveis:

1. Captura: esvazie todas as suas caixas de entrada, e-mail e mensagens. Não deixe passar nada que pareça importante.

2. Agenda: revise seu calendário, a fim de garantir que não vai ser surpreendido com nenhum compromisso de última hora.

3. Próximas ações: revise as próximas ações. Veja as que foram cumpridas e acrescente aquelas faltantes.

4. Projetos: a lista de projetos é o centro desta revisão. Garante que haja pelo menos uma próxima ação para impulsionar cada um deles.

5. Algum dia / talvez: veja se há algum projeto interessante que você pode começar neste momento de sua vida.

Esta revisão semanal é imprescindível para a manutenção do método GTD. Nela, você pode ser criativo e alterar seu sistema: mude ou acrescente ferramentas, crie contextos para sua lista de próximas ações, defina projetos novos para realizar. Enfim, é um momento para exercitar a autocrítica e expandir seus horizontes.

E) Engajar

Por fim, depois que capturamos, esclarecemos, organizamos e constantemente refletimos sobre nossa forma de nos organizar, temos mais espaço mental para nos engajar em nossas atividades.

É claro que não precisamos esperar a vida estar completamente organizado para começarmos a agir. Entretanto, quanto temos consciência das diversas variáveis que compõe nossa existência, somos capazes de ficar mais conectados com o momento presente, eliminando distrações, ansiedades e inseguranças.

O principal objetivo do GTD não é simplesmente a organização. Seu próprio nome (getting things done) sugere ação. Seu objetivo é trazer as pessoas para o presente e assim começarem a tomar atitudes mais assertiva em sua vida.

Ele parte da seguinte premissa: geralmente não deixamos algo feito porque não foi definido o que feito significa. Para agirmos, precisamos esclarecer os detalhes de nova vida, precisamos deixar claro as variáveis que a compõe. Somente assim teremos plena lucidez daquilo que estamos fazendo.

Ao construir um sistema de organização pessoal, completo e integrado, naturalmente somos chamados a agir. O definir uma ação física e visível, quando implementamos a regra dos dois muitos e se constantemente revisamos nossas listas, a vontade de agir emerge de nosso subconsciente. É uma mudança no modo de pensar e agir.

Como o método GTD pode ajudar na inversão existencial

A inversão existencial é uma técnica de planejamento máximo da vida humana, fundamentada na Conscienciologia e na Projeciologia. Dentre seus objetivos, podemos destacar o comprimento da programação existencial (proéxis), o desenvolvimento do parapsiquismo e a reciclagem intraconsciencial.

A programação existencial ou proéxis, é o planejamento da vida intrafísica feita pela consciência no período extrafísico, antes de nascer. Na Concienciogia, chamamos esse período de intermissão. Durante a intermissão a consciência escolhe o país, a época e os pais para renascer. Também propõe metas, desafios e objetivos assistenciais para cumprir ao longo de sua vida.

O GTD na vida diária do inversor

Depois de nascer, a consciência precisa passar pela fase da adolescência, fazer uma faculdade, constituir uma profissão, cuidar se suas finanças. O método GTD entra principalmente neste contexo. Ele é uma ferramenta que ajuda na administração dos detalhes da vida intrafísica.

As bases do método GTD auxilia o jovem a manter sob controle os detalhes administrativos da vida prática, de modo que o nível de estresse e ansiedade diminuam. Com isto, torna-se mais fácil dedicar-se ao parapsiquismo, à evolução e à autopesquisa.

A aplicação deste método pelo inversor existencial, desde a adolescência, pode ajudar em um ponto muito sério: o continuísmo. Um dos fatores chaves para o cumprimento da proéxis é conseguir ter uma acabativa razoável nos projetos pessoas, dando-lhes sempre um encaminhamento correto.

Ao aplicar o GTD desde a juventude, o inversor pode antecipar uma série de conquistars, tais como gestações conscienciais, a liderança no voluntariado, a autonomia financeira. Isso porque com o emprego de um método de organização é mais fácil atingir metas e objetivos.

O GTD no Parapsiquismo e na Autopesquisa

O parapsiquismo não exige o mesmo tipo de organização que outras variáveis da vida. Nem sempre é possível definir próximas ações e projetos de forma tão clara e pragmática quanto um trabalho de faculdade. Embora possam ser usadas técnicas no dia a dia de maneira objetiva, seu desenvolvimento muitas vezes não é linear, além de depender de amparadores extrafísicos.

O mesmo acontece com as reciclagens intraconscienciais, ou reformas íntimas. Embora a Conscienciologia proponha técnicas para o autenfrentamento, quando aprofundamos na autopesquisa, podemos observar que o desenvolvimento consciencial depende de mais fatores do que podemos controlar.

Em síntese, o método GTD é eficaz para administração da vida intrafísica, mas quando diz respeito à proéxis multidimensional, extrafísica e paraspsíquica, ele se mostra limitado, pois não considera as sutilizadas da vida intraconsciencial.

Entretanto, o cerne teórico do método GTD pode ser incorporado para aplicação da invéxis: a criação de um sistema de organização pessoal completo e integrado. Como você faz para se organizar no dia a dia? Deixe algumas dicas para nós aqui nos comentários!

Gostou do artigo? Leia também:

  1. Como ter produtividade na quarentena
  2. Autodisciplina: o trafor do continuísmo e do completismo
  3. Como ter foco e resultados de vida pela técnica da invéxis

Referências

  1. Allen, David; A Arte de Fazer Acontecer: Estratégias para Aumentar a Produtividade e Reduzir o Estresse; Sextante; Rio de Janeiro, RJ; 2015.
  2. Nonato, Alexandre et al.; Inversão Existencial: Autoconhecimento, Assistência e Evolução desde a Juventude; Associação Internacional Editares; Foz do Iguaçu, PR; 2011.
  3. Ramos, Luiz Paulo; Técnica de Autorganização; verbetes; In: VIEIRA, Waldo; Org; Enciclopédia da conscienciologia; verbete N. 5213; disponível em: <http://encyclossapiens.space/buscaverbete/>